segunda-feira, 9 de abril de 2018

Companheiros







Khaled pensava e pensava...quantos amigos perdidos, esquecidos na poeira dos tempos...Tanta gente que palmilhou os caminhos de sua vida, e agora seguem rumos paralelos, longínquos, amigos queridos cujas fotos amareleceram numa caixa que por fim foi jogada ao lixo; colegas de trabalho que lhe alcançaram a mão em tempos difíceis e que agora nem mesmo um telefonema natalino dele recebem...

Sentia-se culpado por não conseguir continuar contactando a todos, nem ao menos mantê-los carinhosamente presentes em sua memória, de onde iam-se escapando aos poucos, nomes, rostos, enfim...somente em alguns momentos um som, uma palavra ou uma imagem traziam à tona a recordação de uma voz ou de um rosto submerso no lago do passado.

E havia também aqueles falsos amigos pedinchões, que só o procuravam quando em dificuldades e o esqueciam nas bem aventuranças, e que o faziam sentir-se apenas um velho bote salva-vidas...quanta assimetria, quanta falta de maestria, que aparente falta de generosidade de sua parte, em ambos os casos...

E então seu Mestre Interior falou-lhe um dia, em sonhos: "Khaled, o fluxo da vida tem marés altas e baixas, e cada uma traz e leva de volta para o mar. Lembra-te que os amigos que estiveram ao teu lado eram teus parceiros numa determinada etapa da vida, que seguiu seu rumo para todos. Mudaram as estradas, cada um precisou partir para um aprendizado diferente. Prender-te a eles significaria fechar teu coração aos novos que viriam, trazendo-te novas lições, novos percursos, guiando-te a outras estradas, e impedindo a eles de fazer o mesmo. Não te esqueças também de que de quando em vez terás de acolher como companheira a solidão...

Da mesma forma, os infelizes que te procuram apenas para pedir, são aqueles que te dão a oportunidade de retribuir à vida todo o bem que antigos amigos te fizeram, para que tua mão esquerda dê o que tua mão direita recebeu. Assim é o fluxo na maré da vida...moeda corrente de fraternidade, passando de mão em mão, sem olhar a quem, consanguíneos ou desconhecidos. Não te apegues a um ou outro apenas, pois a família humana é tão grande...! Muitos passarão por tua vida e seguirão adiante, deixando rastros apenas na lembrança, mas alguns criarão laços afins que os unirão em todas as vidas, na eternidade das almas. Porém a cada um dê o melhor de ti, mesmo que os encontre apenas por um minuto, pois não se mede o tempo do coração nem o valor da bondade; aquele a quem doaste apenas o teu sorriso pode ser o que te agradeça em preces por fazer daquele um dia melhor."

Bíndi


Imagem: internet

quinta-feira, 8 de março de 2018

As Mãos da Paz!






Eu sempre rezei

Eu sempre pedi
Eu sempre implorei
Eu sempre rogava

Tanto pedia, tanto me esforçava nas ladainhas pedintes
Inúmeras rogações ao grande Pai, mil promessas fazia para ser merecedor

A dor veio, mais rezas e rogações
Lágrimas, pedidos de entendimentos dos porquês de tanto sofrimento

Não compreendia ainda a utilidade da dor, sofria por isso
Pedia mil coisas por mim mesmo, pelos mais próximos
Não entendia que as mãos que servem, são mais úteis do que os lábios que rezam

Aprendi pela dor, porque não sabia aprender pelo amor

Então comecei a  usar as mãos que pediam...para servir!

Ghost 


Música: Mãos pela paz - Délcio Tavares


quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Pequena fábula do construtor equivocado






Então o grande Arquiteto entregou ao Construtor um desenho divino, que se fosse construído com esmero, com a colaboração da força, amor e tenacidade deste, resultaria na mais bela obra do universo.

Para realizar tal projeto, ao Construtor era dado montar andaimes, tapumes e fôrmas que o auxiliariam, peças feitas de tábuas simples que outra função não tinham que a de servirem de apoio enquanto exercitava o Construtor a consecução de sua verdadeira obra.

Porém, fato muito estranho se deu, pois o Construtor, a sapatear em seus andaimes na sua atividade diária, achou por bem ir ficando por ali, onde poderia montar uma moradia fácil, em contrapartida da edificação do desenho do Arquiteto, que às vezes o enfastiava por ser trabalhosa demais e exigir paciência e desvelo; afinal, seguidamente caíam tijolos mal alinhados, a massa que deveria unir tijolo a tijolo era fraca e tinha que ser refeita, enfim, a coisa toda era obra de muito mourejar.

Assim, o andaime frágil e limitado passou a ser a finalidade do Construtor, que nele foi juntando apetrechos, utensílios e móveis, decorando conforme seus pendores, até que o tal ficasse ataviado e mobiliado, constituindo-se na sua moradia oficial, então.

E pela vizinhança toda, por toda a cidade, outros Construtores assim procediam, desistindo de erigir o prédio do desenho original, cada qual em fase diferente...alguns, mais empenhados, levantavam paredes inteiras, outros impacientavam-se já nos alicerces, alguns, muito aplicados, iam até o telhado mas, ao olharem para o chão, como que atraídos pela facilidade de antes, pulavam de volta ao seu andaime, rudimentar e grosseiro, porém atrativamente conhecido.

Assim, por entre aqueles andaimes balouçantes, podíamos entrever belas obras inacabadas, tristemente aguardando um término, e Construtores muito ciosos de enfeitar seus andaimes com toda quinquilharia que ajuntavam, comparando o seu com o do vizinho, trabalhando nisto todos os dias, às vezes praticando delitos, tudo para ter o melhor andaime possível. Alguns, de tão pesados pela carga que lhe foi disposta em cima, despencavam com o Construtor e sua família, afinal,vamos convir, o madeirame frágil foi erigido para ser instrumento temporário, e não moradia definitiva. (Que ignorância dessa criatura, pensamos nós...)

Certa vez, um Construtor andou para longe, para bem longe da aldeiazinha em que morava, e pensando estar perdido, avistou com assombro uma Obra praticamente acabada. A primeira coisa, chocante para a pobre alma, e que lhe chamou a atenção, foi a ausência de andaimes: o prédio surgia inteiro, alvo e de linhas simples, com o sol refulgindo dourado em suas formas divinas. Ele já tinha ouvido falar de tais monumentos, idolatrados por alguns como algo que havia descido dos céus. Mas segundo se dizia entre certos grupos, havia sido obra de um Construtor da própria aldeia, o qual contava para quem quisesse ouvir que havia iniciado do mesmo ponto a partir do qual todos iniciavam: subindo em andaimes e com o auxílio destes, colocando tijolo a tijolo, com vontade, atenção e dedicação absolutos. Com muito esforço terminara a obra, e assim como havia montado os andaimes, desmontou-os um a um, peça por peça, pacientemente, para deixar então a Obra verdadeira à mostra, em toda a sua beleza: as grandes janelas sempre abertas deixavam ver a claridade maravilhosa que irradiava através das claraboias do teto, por onde o prédio recebia a luz direto das estrelas. E era assim que o grande Arquiteto havia programado para ser.

A pobre criatura, abismada com a história que a ele mais parecia um conto de fadas, retornou por fim à sua aldeia. Todavia, percebeu quão toscas eram as edificações de todos em comparação com aquela moradia excepcional. Pareceu a ele insano erigir a vida sobre algo tão frágil e deixar de lado a sólida obra que duraria para sempre. Mas ao chegar em frente à sua moradia, a esposa o chamou para decidir de que cor pintariam os tapumes que já descascavam da chuva, e ele esqueceu por completo do que havia presenciado. Outro dia, talvez.

Bíndi

Imagem: afrikaburn.com
 

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Um tempo no tempo...Férias, Até breve!




Você ainda lembra de quando era criança?
Tão simples era a vida
Ficar olhando as formiguinhas carregarem suas folhas
O medo do escuro em seu quarto
A certeza inconsciente de que você era especial
Os amiguinhos invisíveis que brincavam com você
O gosto de cada pãozinho com manteiga
A  alegria no sorriso, ao ganhar um brinquedinho

Como era gostoso cada amanhecer
O sol, a brisa, o barulho da chuva
Aquele cãozinho que brincava com você
Seu primeiro dia de ir para a escola
A vida fluía como um orvalho
A resignação com o que tínhamos, longe da ganância que nos ensinaram
O dedinho cortado sarado com o curativo abençoado

...mas crescemos, nos fizeram esquecer como tudo é tão simples, ao mesmo tempo tão belo, exaltaram os perigos, surgiram bandidos perigosos, nos vimos num mundo monstruoso e letal...

Então, só por  hoje, vamos  comemorar a saudade dos bons e dos nem tão bons momentos que tivemos, vamos comemorar o simples fato de existirmos e merecermos esse ar, os alimentos dados pela natureza, por nossa inteligência, por nossos sentimentos, por nossas buscas...

Olhemos ao nosso redor: há tantos que não tiveram a oportunidade de serem crianças, ou mesmo aqueles que não guardam doces recordações da infância...vamos celebrar o hoje...vamos vibrar no presente, na esperança de atrair paz no amanhã?!...vamos plantar uma semente de simplicidade no fato de existir, como fazíamos na infância...

Trouxemos conosco as rosas brancas, vermelhas, amarelas...são rosas que nasceram com os espinhos que por fim as protegem dos perigos que sua beleza pode atrair...aprendamos pelo amor, então...não esperemos a lição da aprendizagem pela dor, para então nosso sorriso se transfigurar no daquelas crianças que fomos um dia!

Acordamos sorrindo, depois de nos ferir com os espinhos da vida, aprendendo que um "bom dia, um abraço, um beijo"...já é um milagre do universo!

O tempo para nós dois, não existe, os anos não passam, pois não os temos...apenas vivemos o nosso hoje, que é o nosso tempo eterno!

Até breve, pois como duas crianças sapecas...vamos agora descansar em nosso bercinho de paz, mas sem jamais nos distanciarmos dos nossos amigos invisíveis, porém, reais para nós!

Ghost & Bindi

Música: Semente do amanhã(Gonzaguinha)

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Sombras




Sombras 



Toda a sua vida havia sido marcada pela sede: de conhecimento, de respostas, de conhecer-se para apreender o mundo complexo de fora, mas sobretudo por um profundo anelo por ser melhor do que era.

Ao seu redor ele via a saciedade dos sentidos, da inteligência, via partidas e retornos, percebia os trens chegando, para os outros, lotados de conhecidos que traziam abraços e fotos de lugares distantes; mas trem algum chegou para ele. Via-se pequeno e ordinário aguardando na estação pelo vagão que traria finalmente a experiência suprema, a aurora mística, a angelitude em vida...

A mochila nas costas, por mais leve que quisesse levar, pesava sempre. Era uma longa jornada tentando desfazer-se de falhas e defeitos, arredondando-se a cada baque da vida, como um seixo que rola agitado por um rio frenético e ao bater no fundo e nas margens perde algumas partículas por vez. Mas era tão pouco para quem almejava tanto...Desejava um futuro não muito distante distribuindo uma luz sem lacunas de sombra, uma bondade sem mácula, uma fraternidade sem cobranças.

Mas entre todas as falhas que ainda tinha por burilar, uma lhe era a mais dolorida: a falta de uma profunda empatia pelo semelhante, essa privação de sentir vontade de chorar quando outro chora, de rir ao perceber o riso, de cantar junto com quem canta – o pior dos defeitos, a suprema carência, em sua forma de ver, e que por mais que se esforçasse não lograva sentir. Queria a perfeição agora, como a criança que sabe do presente escondido há meses no armário não quer esperar pelo natal. Sentia-se pequeno demais enquanto não fosse extremamente grande, sujo demais enquanto não estivesse imaculadamente limpo. Existir como um simples ser humano cheio de falhas doía-lhe.

Foi numa de suas andanças entre as ruelas da parte marginalizada da cidade, tentando sentir a compaixão pungente que sempre buscara, que viu a moça baleada sobre uma poça de sangue. Ao seu lado, pessoas chorosas e desesperadas, e um rapaz que inclinado sobre ela tentava desesperadamente lhe prestar os primeiros socorros e impedir que a vida escoasse com cada uma das gotas que avermelhavam o chão batido. “Preciso de ajuda”, ele falou olhando ao redor em desespero; “Ela tem uma artéria rompida, necessito que alguém faça compressas sobre a hemorragia enquanto eu a reanimo ou ela morrerá...” Com um esgar de horror, as compungidas pessoas que o circundavam instintivamente se afastaram...Não conseguiam cogitar em tocar aquelas carnes dilaceradas e pulsantes, entreolhando-se chocados.

Mas ele agachou-se, pegou a toalha que o socorrista apontava e pressionou o local sanguinolento sem problemas. Assim, ao lado dela, percorreu o caminho todo até o hospital. Quando a maca desapareceu no longo corredor batido pelas cruas luzes brancas, virou as costas para ir, voltando sobre os próprios passos. Quase não notou o rapaz a quem ajudara, que ao passar por ele, disse baixinho: “se não fosse sua serenidade e presença de espírito, talvez minha irmã estivesse morta...Obrigado.”

Bíndi

Imagem: earthporm.com

Música: Sabrina Carpenter - Shadows



domingo, 5 de novembro de 2017

Desculpe não ter dito adeus



Moça, tua estrada é longa
Nem sempre pisarás em flores
Muitos espinhos te farão chorar
Nesses momentos estarás sozinha

Ainda ontem eu podia cheirar teu perfume
Hoje só posso soprar ao teu ouvido
Mesmo sem ser escutado
Me restam ainda as dores da partida inesperada

Das pessoas, espere compreensão, mas nem sempre
Cada um carrega o próprio céu
Teu céu  é o teu coração
É nele que ficarei agora, por isso não me despedi!

Talvez amanhã eu seja conduzido para mais longe de ti
Entretanto, esses laços não se quebram...mesmo nos confins do universo!

O fato é...eu lamento ter feito você chorar
Saiba que estou bem aqui...não chore  por minha ausência
Lembre dos risos que tivemos, das nossas brincadeiras
O tempo todo eu observava teu jeito de ser, aprendi muito contigo

Obrigado, por ter cuidado de mim 
Obrigado, por ter me recolhido de um destino cruel
Obrigado, por todas as vezes que de tuas mãos recebi o alimento
Obrigado, por nunca teres me batido pelas sujeiras que fiz em tua casa

Agora terei um novo lar, mas nunca te esquecerei
Saiba que continuarei a observar-te, em silêncio...como sempre fiz

Desde que me acolheste em teu colo maternal, observei tua vida
Digo-te com a sinceridade que sempre me expressei...está tudo em tuas mãos.

Depende de ti, chorar sem sofrer em demasia
Dolorir o coração,  porém...seguir
Também terei que seguir, hoje graças à luz que me mostraste...em paz!

Até sempre!

Ghost

Em honra a um serzinho de luz em forma de cão que esteve nesse mundo até 13.10.2017


Música: Nicola Di Bari - Il Mondo Gira


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...